Os médicos de São Paulo decidiram hoje em assembleia que não irão atender planos de saúde no dia 6 de setembro.

De acordo com a APM (Associação Paulista de Medicina), após diversas reuniões com 17 planos de saúde do Estado, poucas empresas apresentaram propostas consistentes de reajustes dos honorários médicos em consultas e procedimentos.

A categoria pede a “inclusão de cláusulas de reajustes periódicos nos contratos de prestação de serviço e de fim das pressões para reduzir exames, internações e antecipar altas, que acarretam riscos aos pacientes”.

 

Casos de urgência e emergência serão atendidos normalmente. A orientação é que os pacientes remarquem consultas e procedimentos para outras datas.

 

Maiores informações sobre a paralisação devem ser divulgadas na próxima semana.

Esta não é a primeira vez que os médicos fazem o protesto. Durante todo o mês de setembro em São Paulo, o atendimento foi suspenso, de forma alternada por especialidades. As consultas e procedimentos de clientes de operadoras de plano de saúde também foram suspensas em todo o país em abril.