Uma audiência pública em Sorocaba e uma reunião em Cruzeiro definem nesta segunda-feira os contornos definitivos da macrometrópole paulista, o maior aglomerado urbano do País. A audiência vai apresentar os estudos técnicos para a criação do aglomerado urbano de Sorocaba, enquanto conselheiros dão mais um passo em Cruzeiro para consolidar a Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte.

Já foram criadas as regiões metropolitanas de São Paulo, Campinas e Baixada Santista e as aglomerações urbanas de Jundiaí e Piracicaba. A área inclui ainda as microrregiões de São Roque e Bragança Paulista. Os projetos das áreas ainda não criadas formalmente serão encaminhados à Assembleia Legislativa este ano.

Com as novas definições, a macrometrópole passa a abranger 173 cidades, num raio de pouco mais de 100 km da capital, concentrando 73% da população do Estado, 83% do Produto Interno Bruto (PIB) paulista e 28% do PIB nacional.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Metropolitano, Edson Aparecido, a macrometrópole é uma área do Estado que se compõe de territórios profundamente conurbados, nos quais os fluxos de mobilidade urbana estão bastante interligados. “Estamos criando mecanismos institucionais para a gestão conjunta desses espaços. As prefeituras já podem começar a pensar em transporte, saneamento, abastecimento e combate às enchentes, por exemplo, de forma integrada.” As regiões poderão criar o plano diretor metropolitano levando em conta o conjunto de cidades.