Rio – O empresário e lutador de jiu-jítsu Bruno Meyer Gonçalves de Sá, que desembarcou sexta-feira à noite no Rio e foi levado para a Superintendência da Polícia Federal (PF), foi encaminhado ontem para o presídio Plácido de Sá Carvalho, em Gericinó. Condenado a quatro anos e oito meses de reclusão por ter agredido em 1995 duas pessoas na saída da boate Hippopotamus, em Ipanema, Bruno teve a pena reduzida para três anos e oito meses de prisão em regime semi-aberto. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que, por ter confessado o crime, Bruno Meyer deveria ter a condenação atenuada. Bruno foi preso no dia 29 de abril deste ano em Sydney, na Austrália, para onde fugiu logo que soube de sua condenação, no dia 2 de dezembro de 1997. O lutador foi condenado por ter agredido Cláudio Impellizieri Versiani e o namorado de sua irmã, Luiz Felipe Rego de Andrade Maciel, no Natal de 1995.