O candidato a presidente Luiz Inácio Lula da Silva reforçou hoje, no Rio, o discurso dos oposicionistas de que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Nelson Jobim, ajudou o PMDB a cassar a liminar que suspendia a convenção do partido.

A liminar foi suspensa na madrugada de sábado (15), dia em que se realizou o encontro. ?Minha opinião é sempre mais comedida porque não tenho imunidade?, afirmou, evitando acusar Jobim.

No entanto, completou: ?Gostaria que esses ministros estivessem de plantão 24 horas por dia para atender tantos outros problemas que a sociedade precisa. Às vezes, precisa de liminar para coisa mais justa e não encontra ninguém durante a semana. Tarde da noite, encontrar o presidente do TSE disposto a fazer o julgamento da liminar, ele, que já tinha sido responsável pela verticalização, é, no mínimo, estranho.?  Lula lembrou que o presidente do TSE é defensor da verticalização das coligações, exigida pelo TSE a partir destas eleições, o que provocou uma série de dificuldades para os partidos formarem alianças por causa de questões regionais.

O petista disse que nunca teve ilusão de que o PMDB rejeitasse a coligação com o tucano José Serra.

Afirmou ainda que vai procurar se aproximar dos 35% de peemedebistas que votaram contra a aliança com o PSDB na convenção.