O presidente Luiz Inácio Lula da Silva informou que ficou para 12 de dezembro a visita que fará ao presidente da Bolívia, Evo Morales, em La Paz, para discutir o fornecimento de gás natural ao Brasil. "Nós estamos fazendo o que precisa ser feito para garantir que o Brasil tenha tranqüilidade energética num futuro bastante longo", afirmou o presidente, ao deixar a cerimônia de entrega do prêmio internacional de Objetivos do Desenvolvimento do Milênio.

Segundo ele, como o Brasil não tem no seu território o gás necessário para o abastecimento, será necessário estabelecer prioridades. Em primeiro lugar, informou, estarão as termelétricas. "Primeiro vamos ter de garantir o funcionamento das termelétricas, para produzir energia para a sociedade e depois as indústrias.

Lula assegurou que as pessoas que hoje possuem carro movido a gás terão o fornecimento garantido. "Ninguém colocou tambor de gás porque quis, mas porque teve incentivo. Portanto as pessoas que têm este carro, nós vamos ter de fornecer e garantir a tranqüilidade delas", disse.

E prosseguiu: "Agora vamos ter de trabalhar para importar mais gás. E a Petrobras investindo muito para que nós possamos ter auto-suficiência em gás. Por isso estamos trabalhando com muito afinco para a construção de todos os gasodutos ligando o Brasil de norte a sul". O presidente Lula negou ainda a possibilidade de o Brasil enfrentar um apagão de gás. "De jeito nenhum, de jeito nenhum", assegurou.