O presidente Luiz Inácio Lula da Silva garantiu que os açudes nordestinos não vão mais secar com o Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional.

?Nós vamos deixar os açudes perenes. Não vai ter mais aquela dos açudes, na época da seca, ficarem vazios, ou seja, nós vamos deixar os açudes sempre cheios?, disse Lula no programa de rádio Café com o Presidente.

As obras do projeto já começaram. Serão construídos dois canais – o Eixo Norte e o Eixo Leste – que levarão água do rio para os sertões de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. O Eixo Norte sairá do município pernambuco de Cabrobó, percorrerá 400 quilômetros até os rios Salgado e Jaguaribe, no Ceará; Apodi, no Rio Grande do Norte; e Piranhas-Açu, na Paraíba e Rio Grande do Norte. Já o Eixo Leste começa na barragem de Itaparica, em Floresta, Pernambuco, com destino ao Rio Paraíba, no estado da Paraíba. O segundo canal terá 220 quilômetros, de acordo com o Ministério da Integração Nacional. De acordo com o presidente Lula, 12,5 milhões de nordestinos que vivem no semi-árido serão atendidos.

O ministro Geddel Vieira Lima, da Integração Nacional, que participou do programa de rádio, garantiu que a interligação do São Francisco não prejudicará os estados doadores, ou seja, de onde será retirada a água. Segundo o ministro, apenas 1,4% da vazão do rio serão transportados pelos canais, volume que já era jogado no mar.

?Esta obra de transposição que o seu governo, que nosso governo dá início, é fundamental para resolver o problema de milhões de brasileiros na Paraíba, Pernambuco, Ceará e no Rio Grande do Norte e nenhum prejuízo para estados como a Bahia, como Minas Gerais, como Alagoas e como Sergipe. Muito pelo contrário, está estimulando o nosso governo a fazer investimentos que serão fundamentais para preservação através do programa de revitalização do Rio São Francisco?, afirmou Geddel Vieira Lima.

?Retirando apenas 1,4% da água do Rio São Francisco, aquela água que já vai ser jogada no mar, vai ser perdida. Portanto, nenhum prejuízo causado ao rio?, completou.

O ministro inicia hoje viagem ao longo do rio, da nascente à foz, para explicar o projeto às comunidades ribeirinhas.