Brasília – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva desapropriou, por decreto, 98,8 mil hectares de terras, em dez imóveis rurais, para a reforma agrária. Os atos foram publicados ontem no Diário Oficial da União. Com isso, sobe para 116,5 mil hectares o estoque de terras acumulado até agora neste mês, o maior volume de desapropriações em apenas um mês. O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, deu a notícia a milhares de trabalhadores rurais que realizaram em Brasília o Grito da Terra.

Rossetto informou que tão logo os servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), retornem ao trabalho, os processos de assentamento serão retomados para recuperar o tempo perdido. O governo assentou 30 mil famílias até este mês e espera chegar a 50 mil ainda no primeiro semestre, a fim de alcançar a meta de assentar 115 mil até o final do ano. A greve, que já dura duas semanas, paralisou todos os processos nas superintendências estaduais do Incra.

Grito

As áreas desapropriadas neste mês ficam nos estados do Espírito Santo, Bahia, Goiás, Maranhão, Pará, Pernambuco, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Piauí, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e Sergipe, além do Distrito Federal. O destaque das desapropriações de hoje é a Fazenda Cristalino, com capacidade para assentar 1.600 famílias. Com 87,8 mil hectares, o imóvel localiza-se no sul do Pará, a região com o mais alto índice de violência no campo no País.

Após três dias acampados na Esplanada dos Ministérios, cerca de 5 mil trabalhadores do Grito da Terra encerraram ontem o movimento com muitas promessas na bagagem.