Rio de Janeiro – A decisão da Petrobras de limitar aos contratos o fornecimento de gás para as distribuidoras poderá afetar os trabalhadores de postos de gasolina. A avaliação foi feita pelo presidente do Sindicato dos Empregados em Postos de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado do Rio de Janeiro (Sinpospetro), Eusébio Luiz Pinto Neto.

?Se o racionamento continuar, provavelmente irá afetar os trabalhadores, ao causar desemprego. Na questão da distribuição do gás, se houver necessidade, por exemplo, de fechar algumas bombas, haverá diminuição da empregabilidade?, admitiu, em referência ao fornecimento de gás natural veicular (GNV).

Um eventual aumento do preço do gás, acrescentou, também atingiria o frentista, ?porque ele é um trabalhador e o aumento de preço atinge toda a sociedade, mas em termos de emprego, não é um fator muito relevante".

O Sinpospetro foi formalizado nesta segunda-feira (5), a partir do registro concedido pelo ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, em solenidade realizada na Delegacia Regional do Trabalho do Rio de Janeiro.