Uma adolescente de 14 anos foi internada por causa do vício em crack após a Justiça de Minas Gerais determinar que o governo providenciasse tratamento para a jovem. Ela também estava ameaçada de morte por traficantes para os quais estava trabalhando e permanecerá pelo menos seis meses em uma clínica cujo nome é mantido em sigilo, com as despesas custeadas pelo governo.

Segundo o processo proposto pela Defensoria Pública, a pedido da família da adolescente e da ONG Defesa Social, a jovem começou a usar a droga há dois anos. Desde então, deixou a casa da família, abandonou a escola e passou a trabalhar para traficantes. Ainda de acordo com o processo, ela foi obrigada a se prostituir e engravidou quatro vezes, mas abortou em todas elas.

A adolescente também já foi agredida várias vezes, levou facada e o juiz Marcos Flávio Lucas Padula considerou que ela corria risco iminente de perder a vida por causa da droga e das ameaças do tráfico.

Segundo o Juizado da Infância e da Juventude, a sentença foi expedida na quarta-feira e cumprida no dia seguinte. O governo mineiro mantém convênio com três entidades para tratamento de adolescentes dependentes químicos no Estado.