Bem mais séria do que pela manhã, quando chegou a sorrir na sala do júri, em Contagem (MG), a ré Dayanne Rodrigues disse rapidamente à reportagem nesta segunda-feira que é difícil prever o que vai acontecer nas próximos dias porque o “julgamento está bastante tumultuado”. “Vamos ver”, limitou-se a dizer, durante intervalo de cinco minutos. Ex-mulher de Bruno Fernandes de Souza, Dayanne Rodrigues é acusada do sequestro e cárcere privado do bebê dele com Eliza Samudio.

Antes do intervalo, a juíza Marixa Rodrigues interrogava a delegada Ana Maria dos Santos sobre o início das investigações, que segundo a testemunha ocorreram a partir de um denúncia anônima. Ela confirmou que, durante as diligências no sítio de Bruno, houve um conflito de versões dadas pelo funcionário do sítio José Roberto, que admitiu a presença de crianças no sítio, e o administrador Elenilson Vitor, que numa segunda diligência negou essa informação.