Rio

– A briga entre Petrobras e a Marítima Engenharia e Petróleo, que se arrasta desde meados do governo do ex-presidente FHC, virou ontem caso de polícia depois que um juiz do Rio de Janeiro mandou prender dois diretores da estatal, que no entanto não foram encontrados. Um oficial de Justiça chegou à empresa com ordem de prisão emitida pelo juiz da 15.ª Vara Cível do Rio, Renato Ricardo Barbosa. A ordem tinha os nomes dos diretores de Exploração e Produção, Guilherme Estrela, que está de férias, e o de Serviços, Renato Duque, em viagem de trabalho. Os dois são responsáveis pelas licitações de plataformas da estatal, pivô da briga com a Marítima.