Brasília – O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que a votação da proposta de emenda à Constituição (PEC) que prorroga a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) está dissociada do processo de julgamento do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e da escolha do novo presidente da Casa.

Jucá informou que amanhã (5) deverá ser votada, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), as emendas apresentadas à proposta da CPMF. Ele acredita que será possível votar a prorrogação da contribuição em primeiro turno na quinta-feira (6) ou na terça-feira da próxima semana (11).

?Se for entendimento dos líderes, a gente vota nesta semana senão, na terça que vem. Mas antes da escolha do novo presidente do Senado?, garantiu Jucá.

Segundo ele, são dois calendários apertados ? escolha do sucessor de Renan e votação da CPMF ? que tramitam paralelamente ?mas que não terão interferência um no outro?, disse Jucá.

Ainda de acordo com ele, o líder do DEM, senador José Agripino (RN), confirmou a disposição de votar amanhã (5) as emendas da CPMF na CCJ o que, segundo Jucá, ?facilita a apreciação da matéria?.

De acordo com o líder governista, é preciso construir no PMDB uma candidatura à Presidência do Senado para que a Casa possa se recuperar do "longo período de trauma".

Ele acrescentou ainda que a renúncia de Renan foi uma decisão pessoal. Para Jucá, Renan entendeu que era melhor submeter-se a julgamento do plenário do Senado fora do cargo de presidente da Casa.

?Acho que é um gesto que ajuda na descontração da Casa e a partir da vacância do cargo vamos discutir dentro do PMDB um nome.?