São Paulo – A decisão de prender Diolinda Alves de Souza é “perseguição política”, afirmou ontem o presidente nacional do PT, José Genoino, ao comentar a medida, anunciada anteontem em Teodoro Sampaio, na região do Pontal do Paranapanema. Diolinda é mulher do líder do Movimento dos Sem Terra, José Rainha Junior, que ontem foi transferido para o presídio de Dracena, no interior do Estado. A prisão de Diolinda foi pedida pelo juiz de Teodoro Sampaio, Átis de Araujo Oliveira. Ela foi condenada a dois anos e oito meses de prisão por formação de quadrilha. Segundo Genoino, a prisão atrapalha a luta pela reforma agrária. “Está na hora do Poder Judiciário Estadual ficar mais atento aos acontecimentos da Justiça na região do Pontal”, afirmou. Ele informou que a direção Nacional do PT, junto com representantes do partido no Pontal, vai organizar uma manifestação de apoio “e prestar solidariedade política” a Diolinda. Genoino reiterou que o PT está solidário com o MST.