Grande maioria dos internautas que participam do fórum virtual de debates desta semana, promovido pela Rede de Participação Política do Empresariado da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), é contra a proposta que prevê segundo turno em municípios brasileiros a partir de 60 mil habitantes.

Na opinião desta parcela de participantes, alterar a legislação eleitoral aumentaria o custo da máquina pública federal. ?O custo de uma eleição é muito alto. Se tivermos mais municípios com segundo turno, as despesas aumentarão ainda mais. Não vejo nenhuma vantagem em aumentar o número de municípios para a disputa de segundo turno. Aliás, deveria ser extinta esta possibilidade de segundo turno. Ganha aquele que obtiver o maior número de votos, já no primeiro turno mesmo?, acredita o participante de Curitiba, Marcos Bettes.

A PEC apresentada na Câmara, pelo deputado Zé Geraldo (PT-BA), caso aprovada, poderia ser validada já para as eleições municipais de outubro, ocasionando um crescimento de 5,5% no número total de cidades com segundo turno, passando para 303, atualmente, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) 76 das 5.564 localidades com mais de 200 mil eleitores têm segundo turno.  ?Considero que a legitimidade de representação em um cargo público executivo, somente quando se tem maioria absoluta de aprovação, no caso, mais de 51% dos votos. Somente possível com eleições em dois turnos. Considero que 60 mil eleitores um bom número e tamanho do município. Aprovo a proposta?, afirma Luiz Paulo Rover, da região de Ponta Grossa.

?Gostei deste tema. É um debate que considero fundamental para a democracia. Acredito e sonho com o dia que todos os partidos sejam obrigados a ter candidatos a prefeito, nada de conchavos. Se todos os partidos tivessem candidatos abriríamos oportunidades para surgir novas lideranças. Desta forma seria interessante ter o segundo turno nos municípios que o primeiro colocado não fizesse mais de 35% dos votos ou 15% acima do 2º colocado. Li alguns comentários e ví que tem muita gente revoltadíssimo com todos os políticos. Está na hora deles se envolverem na política e fazer diferente. Só criticar não basta, é preciso participar?, analisa o internauta de Francisco Beltrão, Saudi Mensor.

Atuante na questão política de forma apartidária, a Rede Empresarial serve de um grande fórum virtual de debates e ações propostas para que possam contribuir para uma nova política democrática no país. O tema continua em discussão até a próxima segunda-feira (28) e pode ser conferido na íntegra na página eletrônica www.redeempresarial.org.br.