O doleiro Alberto Youssef, preso desde março na carceragem da Polícia Federal (PF), no Santa Cândida, por envolvimento num esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que pode ter movimentado cerca de R$ 10 bilhões, está internado no Hospital Santa Cruz, no Batel. A informação foi confirmada pela PF, que em nota oficial divulgada neste sábado (25), confirmou que Youssef foi hospitalizado devido a uma forte queda de pressão arterial, causada pelo “uso de medicação no tratamento de doença cardíaca crônica”.

O doleiro envolvido no esquema investigado pela Operação Lava Jato passou mal por volta das 13h de sábado e aí foi hospitalizado. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da Polícia Federal.

Segundo a PF, o doleiro foi encaminhado ao hospital por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Youssef teve uma queda de pressão depois do almoço e desmaiou na cela.

A internação de Youssef gerou polêmica na internet e na mídia, porque aconteceu depois de a revista Veja revelar que o doleiro acusa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a candidata a reeleição à presidência Dilma Rousseff de terem conhecimento do esquema que desviou R$ 10 bilhões da Petrobras. As informações publicadas na revista também foram confirmadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Boataria

Na internet, começaram a circular boato de que o doleiro teria sido envenenado. A Polícia Federal negou a informação, dizendo que “são infundadas as informações de possível envenenamento” e disse que Youssef permanecerá internado para adequação da medicação e retornará à carceragem após o seu “pleno restabelecimento”.

De acordo com um documento que seria o boletim médico da internação de Youssef, o paciente, de 47 anos, foi encaminhado ao hospital por apresentar “episódio de síncope ao descer do beliche onde estava deitado, evento precedido de tonturas e turvação visual.” O documento cita os medicamentos utilizados por Youssef e o termo envenenamento não é citado.

Boletins médicos e nota da PF

Na manhã deste domingo (26), a PF divulgou outra nota informando que Alberto Youssef passou bem à noite e permanecerá, em princípio, internado por 48 horas, sob a escolta de Policiais Federais. De acordo com a nota, “não havendo nenhuma intercorrência, retornará à carceragem da PF da Superintendência em Curitiba”. Já o boletim médico divulgado pelo hospital e assinado pelo diretor clínico do Hospital Santa Cruz, Arthur Leal Neto, e pelo cardiologista Rubens Zenobio Darwich, diz que Youssef “deu entrada na UTI devido a episódio de síncope a esclarecer”.

O hospital afirma que o doleiro “chegou com quadro clínico estável, apresentando sinais de desidratação e de emagrecimento importante”. Segundo o boletim médico, na avaliação inicial Youssef não apresentava sinais de intoxicação e tinha quadro cardiológico estável. “Apresenta exames laboratoriais e outros exames complementares, dentro da normalidade”, explica o boletim médico, que finaliza dizendo que Youssef necessita de observação e monitorização contínuas.

No final da tarde deste domingo (26), um novo boletim médico foi divulgado dando conta que o doleiro Alberto Youssef apresenta quadro clínico estável. O documento, divulgado às 17h30, diz que Youssef está consciente, lúcido e orientado. O boletim afirma ainda que os exames apontam quadro de normalidade do paciente.

Segundo a PF, é a terceira vez que o doleiro necessita de atendimento médico de urgência após sua prisão pela Operação Lava Jato. Em julho, Youssef também foi levado para um hospital da cidade, onde ficou por uma noite. À época, o advogado disse que o doleiro sofreu um infarto, passou por um cateterismo e precisou ficar int,ernado na UTI.

Lava Jato

A operação foi deflagrada no dia 17 de março de 2014 em vários estados brasileiros, inclusive no Distrito Federal e investiga esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que pode ter movimentado cerca de R$ 10 bilhões, segundo a PF. De acordo com as investigações, a organização criminosa era liderada pelo doleiro Alberto Youssef.