Rio – A partir da semana que vem, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio, em conjunto com o Ministério da Saúde, deve começar uma auditoria nos hospitais Souza Aguiar e Miguel Couto, nos quais o Supremo Tribunal Federal determinou o fim da intervenção da União. Segundo o secretário de Saúde, Ronaldo Cezar Coelho, a verificação das quantidades de medicamentos, dos equipamentos e do pessoal transferido fará com que a Prefeitura só volte a gerir as duas unidades a partir da primeira semana de maio. No Souza Aguiar, o movimento foi grande ontem. A situação se agravou porque era ponto facultativo no município. Muitos postos de saúde e o ambulatório do hospital Miguel Couto, na zona sul, estavam fechados por falta de funcionários.

O prefeito César Maia se disse disposto a retomar as negociações com o Ministério da Saúde do ponto em que foram interrompidas. Ele não confirmou se vai retirar os funcionários municipais dos outros quatro hospitais sob intervenção (Lagoa, Ipanema, Andaraí e Jacarepaguá), o que a decisão do STF também lhe permite fazer. César Maia se limitou a dizer que quer colaborar no que essas unidades precisarem.

O líder do PFL na Câmara, deputado federal Rodrigo Maia, reafirmou a disposição do pai de reabrir o diálogo com o governo federal. ?Se não for feito um esforço conjunto entre União, estado e prefeituras, com um grande investimento no cinturão da Região Metropolitana do Rio, não se resolve o problema da saúde?, afirmou. Para ele, essa é uma situação que se reproduz em outros municípios brasileiros. ?Espero que o governo federal possa destinar mais recursos para a saúde do Rio. O prefeito já disse que está disposto a retomar a negociação do ponto em que ela parou, no dia 5 de março?, enfatizou.

Notificação

O Ministério da Saúde já foi notificado pela Justiça para devolver os hospitais Miguel Couto e Souza Aguiar para a Prefeitura do Rio. As duas unidades estavam sob intervenção federal desde o mês passado. Por enquanto, a administração dos dois hospitais ainda está sob a responsabilidade dos interventores. Na quarta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou o fim da intervenção federal nos hospitais municipais Souza Aguiar e Miguel Couto. E impediu que a União continue usando bens, serviços e pessoal contratados pelo município para continuar administrando os hospitais da Lagoa, de Ipanema, do Andaraí e o Cardoso Fontes. Essas instituições, municipalizadas em 1999, poderão continuar sob intervenção federal.