A presidente Dilma Rousseff anunciou hoje a ampliação da oferta de cursos do Pronatec (Programa Nacional de Acesso Técnico e Emprego ) para públicos hoje não atendidos no programa. Com o ritmo atual, no entanto, o governo não conseguirá cumprir a meta estabelecida.

Criado no ano passado, o Pronatec tem como objetivo aumentar o acesso ao ensino técnico e qualificação profissional, com oferta de cursos para ajudante de obras, carpinteiro e chaveiro, por exemplo.

Através de acordos firmados hoje com diversos ministérios, entre eles o da Justiça e da Previdência Social, o governo vai ofertar esses cursos para alunos com perfil diferente do atual. O curso hoje é ofertado para quem está no ensino médio.

A partir do próximo ano, também poderão se matricular presidiários e egressos do sistema prisional, além de trabalhadores em processo de reabilitação e ligados ao plano “Brasil Maior”, do ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio.

A meta do Pronatec é, até 2014, ofertar os cursos a 8 milhões de brasileiros. Até o momento, no entanto, foram atendidos 2,5 milhões de brasileiros. Nesse ritmo, a oferta chegará a 5 milhões em dois anos.

A presidente Dilma Rousseff e o ministro Aloizio Mercadante assinaram ainda medida provisória expandindo a oferta de bolsa-formação, que garante ao aluno benefícios como auxílio alimentação e transporte. Agora, o benefício também estará disponível para brasileiros egressos do ensino médio e poderão ser integrados à educação de jovens e adultos.

“Eu tenho certeza de que isso que nós estamos fazendo, de levar um ensino profissionalizante para o interior do nosso país, produzirá uma das maiores revoluções do nosso país, que é a do conhecimento, é a do acesso à oportunidade”, disse a presidente Dilma durante a solenidade.

Dilma afirmou ainda que a expansão do programa é importante para incrementar o espírito empreendedor do brasileiro. “Nós somos um país que pode ter pequenas e médias empresas. Nós somos um país que tem a vocação para a criatividade. Se a gente somar criatividade com ciência, se a gente somar criatividade com tecnologia e inovação, nós teremos um país com uma capacidade competitiva enorme.”