O líder do PSDB no Senado, Artur Virgílio, disse que o governo propôs isentar de CPMF quem ganha até R$ 4.340,00. Acima deste valor, segundo o líder, haveria um redutor de R$ 214,00 por ano. O líder, no entanto, disse que o impasse envolvendo a reforma tributária e novas desonerações faz com que o PSDB considere que a proposta ainda é insuficiente para "comover" o partido.

Segundo ele, o PSDB quer a redução dos gastos públicos e da carga tributária. "Para quem vai receber R$ 160 bilhões de CPMF nos próximos anos, o governo está desonerando muito pouco", disse Virgílio. Ele afirmou que o PSDB acredita que o governo pode melhorar a proposta. O líder contou que, segundo a apresentação feita pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, encerrada há pouco, a desoneração seria de R$ 2 bilhões. "Atinge uma faixa ampla de contribuintes, mas é ínfima pelo que o governo pode fazer", afirmou Virgílio. "Ou o governo melhora a proposta, ou ele se contenta com o voto contra do PSDB.

O líder disse que a bancada do PSDB está bastante agitada e que o governo tem feito esta negociação "a passos de cágado". Virgílio afirmou que a idéia é não liberar a bancada para votação. A bancada deve seguir "una para um lado ou para o outro". O PSDB tem 13 votos no Senado.