O governo vai determinar a suspensão das vendas de passagens aéreas cujos compradores tenham como origem ou destino o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, até que se normalize a situação no aeroporto, informaram nesta terça-feira (24) fontes do Palácio do Planalto. A suspensão poderá durar até dois dias.

Como o aeroporto está enfrentando graves problemas, a idéia das autoridades é desafogar, no período de suspensão, o movimento de passageiros que já compraram passagens e permitir que sejam atendidos os passageiros que já estão de posse dos bilhetes, reduzindo o acúmulo de embarques pendentes desde o dia da tragédia com o avião da TAM, terça-feira passada.