São Paulo – O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, disse nesta quarta-feira (27) que é irreversível a decisão política do governo de realizar as obras de transposição do Rio São Francisco. O ministro disse considerar natural a manifestação de aproximadamente 1,5 mil pessoas que ocuparam parte do canteiro de obras em  em Cabrobó (PE) para exigir a imediata suspensão das ações que dão início às obras de transposição.

"Ninguém esperava que uma obra desse grau de polêmica fosse surgir sem esse tipo de manifestação. Mas eu tenho absoluta convicção que elas vão perdendo força na medida que as pessoas constatarem que a decisão política de fazer a obra é irreversível, a obra está em andamento?, disse.

O ministro ainda destacou que quer continuar a negociar a realização das obras com os movimentos sociais e organizações da sociedade civil, mas afirmou que não vai abrir mão de fazer uso da Justiça para remover os manifestantes.

?Eu estou pronto para continuar dialogando. Sem que diálogo possa ser entendido como renúncia ao que determina a lei. Portanto, nós vamos fazer, governo que somos, cumprir a lei. E a lei significa que dada a reintegração de posse, nós vamos buscar a desocupação da área?, disse. Ele confirmou que já solicitou à Advocacia Geral da União (AGU) as medidas necessárias para a reintegração de posse.

O ministro ainda ressaltou que a ocupação não está atrapalhando o andamento das obras e que não deve causar atrasos nos prazos dos trabalhos.

Na última segunda feira, o 2º Batalhão de Construção e Engenharia do Exército começou as obras de destacamento e de topografia para a transposição do Rio São Francisco, em Cabrobó.  Serão delimitadas áreas a serem desmatadas e realizados os primeiros serviços de construção da barragem no município.  A previsão é de que até agosto de 2008 estejam prontos um canal de aproximação e uma barragem.