São Paulo – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso voltou a deixar ontem uma porta aberta para retornar ao cargo em 2006. Na inauguração do instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC), em São Paulo, o ex-presidente negou que vá usar o local para fazer política, mas insistiu que continuará na vida pública, fazendo críticas quando julgar necessário, e preferiu não defender a regra americana, que proíbe os ex-presidentes de voltar ao cargo. “Preferia que nos Estados Unidos fosse como aqui, porque eu iria torcer para o (Bill) Clinton voltar”, afirmou. Durante uma coletiva para dezenas de jornalistas brasileiros e estrangeiros, o ex-presidente disse que seria ingênuo imaginar que ele se transformasse num mero espectador. Para reforçar seus argumentos, ele disse que “não se precisa de uma fundação para ganhar eleição. Eu mesmo já ganhei eleições, e do PT, sem precisar disso.” Ao lado dos ex-primeiros-ministros Antônio Gutérres (Portugal) e Lionel Jospin (França) e do ex-presidente do Uruguai, Júlio Maria Sanguinetti, Fernando Henrique disse que o instituto terá um papel acadêmico, incluindo até membros do governo Lula nas suas discussões.