Tia da vítima lamentou a ação dos marginais.

Rio – Para fugir dos freqüentes tiroteios da Linha Amarela, quatro estudantes de Direito da UniverCidade saíram de Bonsucesso em direção a Brás de Pina pela Rua Uranos. Por volta das 23h de sexta-feira, o carro deles foi parado por uma falsa blitz em frente à estação de trem no bairro. Quando percebeu a tentativa de assalto, o motorista acelerou e teve o veículo metralhado pelos bandidos. A estudante Cíntia Araújo dos Santos, de 27 anos, levou dois tiros na cabeça e morreu na hora. “Ela estudava à noite e sempre saía tarde da universidade. Com os tiroteios da Linha Amarela, ela preferia vir por dentro de Bonsucesso.

Parece mesmo que não temos para onde fugir”, lamenta Rosângela Macedo Nunes, tia da vítima. A ação dos bandidos foi rápida. O veículo era dirigido por Edson da Silva Raimundo, atingido com um tiro na mão direita. No banco traseiro estavam Márcia Iracema Correa (foto, em pé), de 42 anos, ferida por estilhaços, e Adriana, com um tiro de raspão na perna direita. Mesmo ferido Edson conseguiu dirigir até a esquina das ruas Uranos e Leonídia, cerca de dois quilômetros depois do crime. Ali, pediram auxílio a uma patrulha da PM, que fazia a ocorrência de uma batida de trânsito. A equipe médica de uma ambulância UTI Móvel do Corpo de Bombeiros estava no local e atendeu Márcia e Adriana, que depois foram liberadas.

Edson foi levado para o Hospital Salgado Filho, no Méier. Cíntia cursava o 5.º período de Direito e estava se divorciando de Edmilson Pereira dos Santos, de 35 anos. Ela deixou dois filhos: Gabriel, de 6 anos, e Gabriela, de 3. Hoje é aniversário da menina e uma festa estava sendo preparada para comemorar a data. O ex-marido lembrou que Cíntia estava muito animada para a festa.