Cerca de 40 imóveis de uma vila foram destruídos em uma explosão ocorrida na madrugada desta segunda-­feira, 19, em São Cristóvão, na zona norte do Rio de Janeiro. A explosão aconteceu por volta das 3 horas na Rua São Luiz Gonzaga. Pelo menos sete pessoas que ficaram feridas, entre elas uma criança, foram resgatadas dos escombros. Bombeiros trabalham no local em busca de pessoas soterradas. Há informações de que uma pensão funcionava no local.

De acordo com bombeiros do quartel de Benfica, as sete pessoas feridas foram resgatadas e levadas para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro. Seguem internados A.M.A., de 38 anos, M.A., de 89, M.A., de 44, J.C. da S., de 27, M. M., de 28, e uma criança de 9. Carlos S. Thomás, de 22, já foi liberado da unidade.

O subsecretário de Defesa Civil, Márcio Motta, informou que 40 imóveis foram afetados pela explosão. De acordo com ele, o proprietário da pizzaria já admitiu que tinha cilindros de gás, embora na região exista gás encanado e o uso de cilindros seja proibido. Ainda não é possível, segundo Motta, saber se o vazamento de gás aconteceu na pizzaria. A hipótese mais provável para a explosão é a do vazamento de gás.

Com o impacto da explosão, caixas de pizzas foram arremessadas até mesmo no heliponto do prédio administrativo do Banco Itaú, vizinho ao local da explosão. Motta disse ainda que há dois meses houve um pequeno vazamento de gás canalizado na região e que foi rapidamente resolvido. Ele informou também que não há nenhuma pessoa reclamando por parentes desaparecidos. Mesmo assim, os bombeiros seguem as buscas.

‘Teto desabando’

Os primeiros policiais que chegaram ao local do acidente contaram que a explosão começou na pizzaria Dell’Arco, no número 44 da Rua São Luiz Gonzaga. Em seguida, outros imóveis foram atingidos. A costureira Marlene Sangy, de 46 anos, contou que acordou com o forte estrondo e logo o teto da quitinete em que mora com os dois filhos veio abaixo.

“O teto estava desabando em cima da gente. Meu filho pegou minha filha rápido, gritando, tudo caindo em cima dela. E quando chegamos ao corredor não havia mais nada. Tinha caído tudo”, contou. Marlene confirmou que o restaurante não tinha ligação de gás encanado e era abastecido por botijões. A quitinete em que morava ficava atrás de uma farmácia, à esquerda da pizzaria. Na casa dela, também não havia gás encanado. Como permaneceu com o telefone celular, Marlene conseguiu pedir socorro. “Tiraram a gente por cima do muro.”

Buscas

Bombeiros procuram no local sobreviventes. Eles usam retroescavadeiras para remover escombros. Cães farejadores chegaram ao ponto da explosão para tentar localizar as vítimas. Bombeiros pedem silêncio na tentativa de ouvir possíveis pedidos de socorro. Prédios no entorno da vila foram atingidos pelo impacto da explosão. Três lojas que ficavam ao lado da pizzaria foram destruídas completamente. Dois restaurantes e uma farmácia também foram atingidas. Edifícios vizinhos tiveram janelas deslocadas. Depois da explosão houve focos de incêndio. Moradores contaram que ouviram um estrondo, viram um clarão e as paredes dos imóveis começaram a ceder. Vizinhos ajudaram uns aos outros para conseguir deixar do local. Algumas casas tinham dois andares. “A suspeita maior é vazamento de gás por botijão.

O pessoal da CEG disse que não há ligação com esses imóveis. Estamos com as equipes de assistência social para auxiliar essa população no que for possível”, disse o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que chegou ao local às 5h.

Bloqueio

O Centro de Operações Rio interditou trecho da Rua São Luiz Gonzaga, entre o Campo de São Cristóvão e o Largo da Cancela, para ação do Corpo de Bombeiros. Há interdição também na Avenida do Exército, entre a Rua João Ricardo e o Campo de São Cristóvão. Como é feriado do Dia do Co,merciário e lojas não abrem, o movimento é menor no local.

Paraná Online no Facebook