O traficante Antonio Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, afirmou na tarde de hoje que nunca comprou armas do ex-presidente da União Pró-Melhoramentos William de Oliveira, o William da Rocinha, ou do seu vice à época, Alexandre Leopoldino Pereira da Silva.

“Nunca comprei arma, nunca vendi arma, não lembro daquilo ter acontecido. Pelo que eu sei, eles [Oliveira e Silva] nunca tiveram envolvimento nenhum com o crime, com nada errado”, disse em videoconferência no Tribunal de Justiça do Rio.

Lopes, no entanto, afirmou não se lembrar do encontro com os dois na localidade conhecida como Cachopa, na Rocinha, ano passado. O criminoso aparece num vídeo com um fuzil conversando com a dupla. Na ocasião, o líder comunitário aparece contando dinheiro – numa suposta negociação.

Lopes está preso num presídio federal em Mato Grosso do Sul. Ele foi ouvido pela juíza da 38a Vara Criminal, Nearis dos Santos, a pedido de sua defesa.

Antes, a juíza ouviu o depoimento de uma nova testemunha do caso – o repórter comunitário Flávio Henrique Moreira de Lima Caffer, que afirmou ser o responsável pela edição do vídeo, que serviu de prova para a prisão de Oliveira e Silva.

Em depoimento, Caffer disse que foi coagido por Vanderlan Barros de Oliveira, conhecido como Feijão, outro líder comunitário que foi assassinado em março deste ano na Rocinha, a fazer um trabalho de edição que desse a impressão de que os dois estariam vendendo um fuzil ao ex-chefe do tráfico. Ele afirmou que o próprio Vanderlan de Oliveira teria feito a gravação.

“Fui chamado pelo Feijão para fazer a edição num domingo, no final de 2011. Fui levado para uma casa onde tinham cinco pessoas, além dele, que só falavam em prejudicar o William. O Perninha estava no lugar errado e na hora errada”, contou.

Ameaças

O repórter comunitário disse que não falou sobre o caso antes porque sofreu ameaças. “Disseram que eu não podia falar nada para ninguém, se não ia arrumar problema para mim. Estava num ambiente muito pesado”. “Entrei em desespero quando vi o vídeo na TV. Achei uma crueldade o que estavam fazendo com os dois”, disse.

Caffer afirmou ainda que recebeu dois vídeos de no máximo 42 minutos, mas teve que apagar os originais do computador, onde fez a edição, sob inspeção de Feijão.

“O [vídeo] original só tinha som de grilo, parecia madrugada. De qualquer forma, tudo que está ali existia, só houve alguns cortes”, contou – acompanhado de uma advogada.

No final da audiência, o Ministério Público Estadual pediu prazo de 48h para se manifestar sobre o relaxamento da prisão dos dois líderes comunitários.

Amanhã, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) decide, a partir das 13h, se acata ou não o pedido de habeas corpus da defesa de William de Oliveira e Alexandre Silva. Ambos cumprem prisão preventiva após serem indiciados por associação para o tráfico e cessão de arma de fogo.

A dupla foi presa em dezembro do ano passado, dias após a ocupação das forças de segurança da Rocinha e do Vidigal. Na época, policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis receberam o vídeo editado de uma moradora, que teve a identidade preservada.

A reportagem tentou contato com a família de Vanderlan de Oliveira, mas ninguém foi encontrado.