enkontra.com
Fechar busca

Brasil

Estudantes abandonam a escola

  • Por Redação O Estado Do Paraná
MEC divulgou que o ensino no país
está calamitoso em todos os níveis.

Brasília – De 100 alunos que ingressam no ensino fundamental, apenas 59 conseguem terminar a oitava série e somente 40 chegam ao final do ensino médio. A informação, divulgada ontem pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), ligado ao Ministério da Educação, indica que 41% dos estudantes abandonam o ensino fundamental e que 60% não concluem o ensino médio.

Os estudantes que concluem, sem interrupção, essas etapas levam, em média, 10,2 anos para cursar as oito séries do ensino fundamental e 3,7 anos para as três séries do médio. Os dados estão na publicação Geografia da Educação Brasileira 2001, produzida pelo Inep-MEC. Para o presidente do Inep, Otaviano Helene, os dados são alarmantes e evidenciam o atraso escolar brasileiro em todos os níveis. “A situação é incompatível com as possibilidades econômicas brasileiras. Já poderíamos ter avançado mais nisso”, afirma.

A expectativa de conclusão da educação básica tem uma significativa diferença entre as regiões. Enquanto no norte, dos estudantes que ingressam no ensino fundamental, apenas 27% terminam o nível médio, levando, em média, 15,1 anos para concluí-lo, no sudeste esse índice é de 49%, e os alunos precisam de menos tempo: 12,7 anos. O estudo condensa dados inéditos e antigos sobre educação básica e superior no País, traça o rendimento escolar dos alunos, a infra-estrutura das escolas, salário dos professores e investimentos públicos em educação. “A situação nos três patamares é calamitosa”, avaliou Otaviano, observando que em vários casos os índices melhoraram, porém de forma lenta e aquém das necessidades do País. Os atrasos na educação básica são, segundo o presidente do Inep, incompatíveis com a possibilidade de desenvolvimento econômico do País.

A persistir esse quadro, advertiu, o Brasil terá dificuldade com a sua força de trabalho daqui a dez, 15 anos. Pelo levantamento do Inep, em 2000 existiam no País 16 milhões de analfabetos e 21,7% dos alunos matriculados no ensino fundamental estavam repetindo a mesma série cursada no ano anterior. Para o Inep, a repetência é uma das principais razões para a queda da auto-estima do aluno. A pesquisa retrata como as desigualdades sociais produzem rendimentos escolares diferentes por regiões e Estados. Enquanto São Paulo registrou a maior taxa de conclusão nos ensinos fundamental e médio com 52,3% em 2000, Tocantins apresentou o menor índice (13,3%) entre todos os Estados.

Há dois anos, 39% dos alunos inscritos no ensino fundamental no País não tinham idade adequada à série que cursavam.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas