Rio (AE) – O governo brasileiro vai começar a substituir seus soldados de combate no Haiti, das forças de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), por militares da área de engenharia, para atuar mais na reconstrução daquele país. No mês que vem, mais 50 engenheiros brasileiros vão se somar aos 150 que já estão trabalhando lá, reduzindo em igual número os soldados. ?Esta é uma tendência e é vontade do ministro (da Defesa, Waldir Pires)?, afirmou o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas do Brasil, tenente-brigadeiro José Américo dos Santos.

Santos enfatizou o aspecto social da atuação brasileira no Haiti ao dar palestra no evento, representando o ministro. ?Acredito que o elemento-chave está na parte de atendimento social à população?, disse mostrando fotos de soldados com equipamentos médicos, tirando pressão de cidadãos e com caminhões de distribuição de alimentos .

De acordo com o ele, o ministro entende que os civis deveriam participar mais do apoio ao Haiti. Santos, no entanto, não deu maiores detalhes sobre isso. O chefe do Estado-Maior comentou que a situação no Haiti envolve perigo. ?Já faleceram 12 representantes da ONU. Felizmente, o Brasil não perdeu nenhum soldado, mas no mês passado três ficaram feridos.? No dia 3 de dezembro, haverá votações no Haiti para os novos integrantes do Legislativo.