Rio

  – A Corregedoria Unificada da Polícia investiga há um mês a denúncia de que o traficante Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, principal acusado do assassinato do jornalista Tim Lopes, teria pago R$ 600 mil de propina a quatro policiais militares do 7.º BPM (Alcântara). Segundo o informe, há duas semanas Elias teria sido preso no Morro Alegria, no bairro Luiz Caçador, em São Gonçalo. O traficante só foi libertado depois de pagar o dinheiro pedido pelos PMs. Outra informação que está sendo investigada pela corregedoria é a de que Elias teria sido visto andando em São Gonçalo vestido de bombeiro. Policiais à paisana ainda estariam fazendo a segurança do bandido. “Estamos investigando essas denúncias, mas já posso adiantar que deve ter envolvimento de policiais. De outra maneira, como o Elias Maluco poderia estar se movimentando do Rio para São Gonçalo sem nunca ser preso”, disse o corregedor Aldney Peixoto. Segundo o corregedor, equipes da polícia chegaram a ir ao Morro da Alegria tentar confirmar a denúncia de que policiais teriam capturado Elias Maluco. “Mas não encontramos nada. Pode ser que a nossa ação tenha vazado, e Elias Maluco e os policiais tenham fugido”, afirmou Aldney Peixoto. No mês passado, o próprio secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Aguiar, já admitira que Elias Maluco poderia estar recebendo proteção de policiais corruptos.