O ministro do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear da Alemanha, Sigmar Gabriel, afirmou nesta segunda-feira (28), no primeiro dia de sua viagem oficial ao Brasil, ser "uma missão enorme" para o governo brasileiro tentar deter o desmatamento diante da alta de preços de ração animal. Até sexta-feira, quando termina sua missão, o ministro deverá cumprir uma agenda com três pontos básicos: desmatamento, biocombustíveis e preparativos para 9ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Biodiversidade (COP-9), marcada para maio, em Bonn.

Gabriel deverá fazer uma visita ao Pará, onde poderá ter contato direto com uma amostra do desmatamento no País. Ele não quis fazer comentários sobre a retomada do ritmo de derrubada das florestas no Brasil – disse que, em seu primeiro dia de viagem, seria precipitado fazer avaliações. Mas mostrou preocupação em relação à pressão sobre as florestas, que, em sua avaliação, está intimamente ligada ao aumento de preços dos produtos agrícolas usados para ração animal.

Na manhã de segunda (28), Gabriel encontrou-se com a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. Ao colega, Marina mostrou números de operações para conter o desmatamento, de prisões feitas e processos abertos. A Alemanha assume a presidência da COP-9 em maio, no lugar do Brasil, que desde 2006 exerce o posto

No encontro com Marina, Gabriel pediu apoio para acelerar as negociações em torno do regime internacional sobre acesso e repartição de benefícios (ABS), um mecanismo para incentivar países a proteger seus recursos genéticos. "Só no momento em que países de beneficiarem economicamente do uso desses recursos é que terão incentivo para preservá-los. É a forma mais eficaz de se garantir proteção", afirmou Gabriel.