O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) criticou o senador Sibá Machado (PT-AC), por ter abandonado o cargo de presidente do Conselho de Ética, onde tramita processo contra o presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), acusado de quebrar o decoro parlamentar. "Sou contra o chamado ‘renuncismo’. Devemos ir até o fim. Temos pressões a cada minuto, mas isso não deveria ser motivo para o presidente do Conselho pular fora de suas obrigações", afirmou Torres, que faz parte do colegiado.

Ele rebateu a iniciativa de petistas de atribuir a decisão de Sibá à pressão de senadores do DEM. Segundo Demóstenes Torres, o que houve foi "uma pusilanimidade", mas ele não explicou se a estava atribuindo a Sibá Machado ou à iniciativa de petistas. Em referência a Machado, afirmo que houve "falta de coragem de administrar pressões da estrutura interna do Senado e da opinião pública.

Demóstenes Torres disse acreditar que o senador Adelmir Santana (DEM-DF), nos cinco dias em que ficará no cargo de presidente do Conselho, terá condições de impulsionar o processo contra Renan Calheiros e tomar medidas saneadoras, como, por exemplo, a de devolver à Polícia Federal (PF) a perícia sobre os documentos apresentados por Calheiros sobre venda de gado, para que a PF aprofunde as investigações.