enkontra.com
Fechar busca

Brasil

Delegado pede prorrogação da prisão de padrasto

O promotor vai agora analisar as solicitações e encaminhar à Justiça

Exatos 30 dias depois da morte de Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, continua sendo um mistério a forma como ele faleceu. Nesta quinta-feira, 4, o delegado Paulo Henrique Martins de Castro pediu ao Ministério Público a prorrogação da prisão do padrasto do menino, Guilherme Longo, e de sua mãe Natália Ponte. Também solicitou que o inquérito seja prorrogado por igual período.

 

O promotor responsável pelo caso, Marcos Túlio Nicolino, vai agora analisar as solicitações e encaminhar à Justiça. Caso não seja acatado o recurso para que sigam na cadeia, o casal será solto no início da próxima semana, quando vence a prisão temporária decretada no mês passado.

 

Homenagem

 

Uma manifestação foi realizada na frente da casa de Joaquim, no Jardim Independência, nesta tarde. Pessoas vestindo camisas com a foto do garoto e portando cartazes pediram justiça no caso e mais rigor nos crimes cometidos contra crianças. Já à noite aconteceu na matriz de Ribeirão uma missa em homenagem aos 30 dias da morte de Joaquim a pedido de familiares.

Histórico

 

O menino desapareceu de sua casa em Ribeirão Preto no dia 5 do mês passado, mas seu corpo foi localizado no Rio Pardo, em Barretos, no dia 10. A linha de investigação policial aponta o padrasto Guilherme Longo como principal suspeito pela morte de Joaquim. Para isso teria aplicado uma dose excessiva de insulina no garoto e depois jogado o corpo na água. Longo nega qualquer envolvimento no caso, assim como Natália.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas