enkontra.com
Fechar busca

Brasil

brasil

De acordo com denúncia, PMs passaram a, na prática, integrar o PCC

  • Por Estadão Conteúdo

O Ministério Público de São Paulo denunciou 53 policiais militares do 22º Batalhão, na zona sul da capital, por supostamente favorecer a atuação de traficantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) em troca de mesada paga pelos criminosos. A investigação da Corregedoria da corporação e dos promotores mostrou que os agentes recebiam propina dos criminosos para proteger locais de venda de drogas, liberar suspeitos presos, devolver produtos apreendidos, além de informá-los sobre a atividade policial na região.

Os policiais já estavam presos desde o dia 18 de dezembro, quando foi deflagrada a Operação Ubirajara, por ordem do juiz Ronaldo João Roth. De acordo com a denúncia, os policiais passaram a, na prática, integrar o PCC ao praticar crimes como concussão (recebimento de vantagem indevida por funcionário público), corrupção passiva, falsidade ideológica, violação de sigilo funcional e associação ao tráfico de drogas. Se o magistrado aceitar a denúncia, os policiais passarão a ser réus no processo, onde apresentarão suas defesas e serão julgados pelas acusações.

As investigações foram iniciadas a partir de uma notícia anônima feita em 3 de fevereiro de 2018, informando “com riquezas de detalhes” como policiais militares haviam apreendido uma grande quantidade de drogas e como eles passaram a negociar com o traficante local, exigindo pagamento de vantagem indevida.

O promotor Cláudio Henrique Bastos Giannini diz, na acusação, que interceptações telefônicas mostraram que a conduta não era isolada, “mas abrangia diversos integrantes da corporação, todos lotados no 22º Batalhão”.”O papel dos policiais militares dentro da organização criminosa também era claro, não reprimir a prática do delito de tráfico, bem como facilitá-lo, não passando de viatura policial próximo aos pontos de venda, informando acerca de alguma operação policial pelo local e até mesmo alterando a verdade em documentos públicos para que não ocorresse apreensão de droga ou a prisão dos traficantes”, descreve o promotor.

Os pagamentos, segundo o Ministério Público, variavam de acordo com a graduação do policial militar ou com o interesse momentâneo das partes envolvidas. Os valores podiam ir de R$ 300 a R$ 50 mil.

“A participação dos policiais militares denunciados mostrou-se essencial para a regular atividade da organização criminosa. Passaram a ter eles relevante função própria na organização criminosa, ora agindo por omissão (deixando de exercer suas funções policiais de repressão ao crime), ora por ação (passando informações sobre a atuação da Polícia Militar e sobre policiais que não pertenciam à organização e, por isso, poderiam incomodar a atuação da organização criminosa)”, descreve o promotor. “Assim, os policiais militares ora denunciados passaram efetivamente a integrar a estrutura da organização criminosa, que é voltada à prática de crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, além de outros delitos diretamente decorrentes destes.”

Como funcionou o esquema

A Corregedoria passou a monitorar telefones que seriam usados pelos policiais nos achaques e descobriu a rede que envolvia dezenas de policiais no esquema de recolhimento de propinas na área do 22º Batalhão. Ao todo, os corregedores ouviram 82 mil ligações telefônicas. Um dos traficantes que pagaria um mensalinho para os policiais seria Julio Cesar Oliveira Silva, o Revolta.

A Corregedoria monitorou entregas de dinheiro para policiais nos dias 25 de março, 14 e 20 de abril, 15 e 18 de maio e 12 e 23 de junho. Mais de uma dezena de policiais foram flagrados apenas nos achaques feitos contra Revolta, apontado como integrante do PCC. Em troca de até R$ 1,5 mil fixos, além de pagamentos extras, os policiais deixaram os pontos de droga do acusado funcionarem em Cidade Ademar.

O valores das propinas investigadas variavam de R$ 300 a R$ 10 mil. Em 23 de junho, Revolta entregou R$ 300 para uma soldado, metade do valor pago pelo acusado para seu companheiro, um soldado, que foi buscar o dinheiro em sua moto, durante a folga – as propinas também eram pagas durante o serviço.

Em outra ocasião, os PMs pediram R$ 50 mil para soltar um traficante envolvido com o tráfico de armas e munições para fuzis. Era 11 de abril. Como o bandido alegou não ter o dinheiro, os PMs aceitaram dar um desconto. Primeiro, a propina caiu para R$ 20 mil; depois, para R$ 5 mil e, finalmente, para R$ 4 mil, pagos em duas parcelas. O dinheiro foi dividido entre quatro PMs.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas