Brasília – Sem a adesão do PT e seus aliados, cinco partidos de oposição – PFL, PSDB, PDT, PPS, e PV – entraram ontem com pedido de cassação do presidente da Câmara, Severino Cavalcanti (PP-PE) no Conselho de Ética da Casa. O processo deverá ter início na próxima semana com a notificação para que Severino apresente sua defesa e a indicação de relator para o processo. Até lá, a mesa da Câmara, presidida pelo próprio Severino, terá de cumprir o procedimento burocrático de receber o pedido e numerá-lo. O bloco parlamentar de esquerda do PT declarou apoio ao documento, que recebeu também assinaturas de deputados do PMDB que fazem oposição ao governo.

A representação contra Severino foi entregue à tarde, depois de muita conversa entre os partidos políticos e provocando tumulto na sessão do Conselho de Ética, que ouvia o deputado Eduardo Campos (PSB-PE), uma das testemunhas de defesa do deputado José Dirceu (PT-SP). O PSB, outro aliado, marcou reunião da Executiva à noite para examinar a indicação da bancada na Câmara de entrar com pedido de cassação do mandato de Severino.

Acusações

Na longa lista de supostas irregularidades apontadas pelos partidos, Severino teria abusado de suas prerrogativas ao defender penas mais brandas, que não a cassação para os deputados que receberam recursos de caixa 2 provenientes das contas do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza e por ter defendido também a versão do PP de que os saques do partido nas contas do empresário foram para pagar advogado do deputado Ronivon Santiago (PP-AC). Os partidos também afirmam que Severino feriu o decoro parlamentar porque teria tentado retardar o envio ao Conselho de Ética dos processos de cassação contra os deputados José Dirceu (PT-SP) e Sandro Mabel (PL-GO).