O número de inquéritos abertos pela Corregedoria da Polícia Civil para investigar o envolvimento de policiais com máquinas caça-níqueis no Estado de São Paulo aumentou 210,5% em três anos: de 19, em outubro de 2007, para 59, na atual gestão. Como as apurações estão em andamento, o número de investigados ainda é incerto.

Entre as irregularidades estão cobrança de propina para permitir o funcionamento de caça-níqueis, furtos em delegacias de máquinas apreendidas e o não indiciamento de donos de bares flagrados.