Brasília – A Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais na Agricultura (Contag) divulgou hoje nota acusando, novamente, os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) de atacarem um acampamento ligado à confederação na cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte.

De acordo com a nota, o MST teria expulsado cerca de 100 famílias de trabalhadores rurais que ocupavam a Fazenda São João, na madrugada desta segunda-feira (18). A maioria dos sem terras que estavam na fazenda trabalhava para a empresa que faliu e era proprietária da área. Os trabalhadores são ligados ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Mossoró, à Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Norte (Fetarn) e à Contag.

A Confederação denunciou que durante a ocupação os integrantes do MST teriam queimado barracos e ameaçado as famílias, que por sua vez, saíram da fazenda. Segundo o presidente da Fetarn, Manoel Cândido, após a retirada dos trabalhadores, o movimento teria destruído tudo. O presidente disse ainda que teme outra ação como esta na Fazenda Alagoinha, mais afastada de Mossoró e também ocupada por trabalhadores vinculados à Contag.

As lideranças do Movimento dos Sem-Terra (MST) no Rio Grande do Norte foram procuradas para comentar a nota, mas não foram encontradas.