Após quase três horas, o Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, foi reaberto para pousos. O primeiro avião a aterrissar naquele horário foi o vôo da Gol que vinha de Recife. O aeroporto opera normalmente tanto para pousos como para decolagens e sem o uso de instrumentos.

Segundo o último balanço da Infraero, dos 57 vôos previstos das 6 horas às 9 horas, dois sofreram atrasos superiores a uma hora e 30 foram cancelados. A explicação para o grande número de cancelamentos é devido à alternância de aterrissagens em outros aeroportos, conforme decidiram ontem a TAM e a Gol.

Dessa forma o pouso em Congonhas de um vôo vindo, por exemplo, de Porto Alegre e que é alternado para Guarulhos é automaticamente cancelado e passa a ser um vôo entre o Salgado Filho e o Governador André Franco Montoro.

A Infraero informa ainda que técnicos da empresa realizam nesta manhã uma vistoria na cabeceira da pista principal atingida ontem por um deslizamento de terra. O incidente ainda é conseqüência do Airbus A320 da TAM que se acidentou no local. De acordo com a assessoria de imprensa, não há previsão de quando deve ser encerrado o trabalho.

No Aeroporto Internacional Governador André Franco Montoro, em Cumbica, Guarulhos, as operações de pousos e decolagens continuam sendo feitas por instrumentos em razão do nevoeiro na região. Apesar disso, os números da Infraero dão conta de que a situação é melhor se comparados aos do último fim de semana.

Da zero até 9 horas, nenhum dos 78 vôos programados foi cancelado. Outros sete tiveram atrasos maiores do que uma hora. Mesmo com a neblina, Cumbica não chegou a fechar nenhuma vez desde sua abertura.