Um ano após a ocupação policial da cracolândia, na região da Luz, centro da capital, o governo do Estado começa nesta segunda-feira o programa de incentivo à internação compulsória de viciados. O plantão judiciário que avaliará se os dependentes devem ser levados para tratamento, mesmo contra a vontade, passará a funcionar às 9h. Movimentos sociais estão se organizando para protestar contra a medida.

O governo afirma que a internação compulsória só será indicada a dependentes químicos cujo estado de saúde seja grave e que, comprovadamente, não tenham consciência de seus atos. Um exemplo de quadro clínico de usuário de drogas considerado grave, segundo médicos, é ter uma convulsão na rua ou uma crise de abstinência muito forte.

Pessoas nessas situações serão encaminhadas ao Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod), na Rua Prates, no centro, que fica aberto 24 horas. Lá, vão passar por avaliações médicas e psicológicas. O caso, então, será encaminhado para o plantão, que funcionará em dias úteis das 9 às 13 horas. A junta, formada por advogado, promotor e juiz, definirá se o paciente deve ser internado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo