A Assessoria de Imprensa da Aeronáutica informou que o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo, o Cindacta 1, em Brasília, analisou as imagens captadas por radar do Airbus da TAM que partiu de Palmas, no Tocantins, e "não encontrou nenhuma aeronave que oferecesse risco ao avião, no raio de 20 milhas (32 quilômetros)".

Segundo a assessoria, as imagens mostrariam se alguma aeronave estivesse, por exemplo, muito próxima do Airbus ou se seguisse um trajeto não previsto no plano de vôo.

Segundo um oficial ouvido pelo jornal O Estado de S. Paulo, uma hipótese é que o piloto tenha recebido um "falso alarme". Neste caso, haveria uma falha do TCAS, sistema que evita colisão entre aviões. O equipamento emite alerta sonoro e visual quando detecta a presença de um avião que oferece risco. Com defeito, poderia ter acionado o alarme indevidamente, levando o piloto a executar a manobra.