Os presidentes das centrais sindicais Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical e União Geral dos Trabalhadores (UGT) acertarão segunda-feira os últimos detalhes do Dia Nacional de Luta pela Redução da Jornada de Trabalho, marcado para 28 de maio. As centrais defendem a redução da jornada de 44 para 40 horas semanais sem redução de salários.

Para a data, estão programadas manifestações e paralisações em vários Estados. "Vamos lutar pela redução da jornada que só trará benefícios para o País", disse Paulo Pereira Silva, Paulinho, presidente da Força Sindical e deputado federal pelo PDT.