O secretário de Turismo da Prefeitura do Rio, Antonio Pedro Figueira de Melo, afirmou nesta segunda-feira, 9, que a Riotur estima a visita de 917 mil turistas na cidade durante o Carnaval. Segundo ele, os dias de folia devem movimentar R$ 1 bilhão na cidade, o que ele considerou “importante em um ano fiscal apertado”.

A declaração foi dada durante a divulgação do planejamento operacional da prefeitura para os desfiles do Sambódromo. Para este ano, as autoridades municipais esperam que a circulação no centro fique ainda mais prejudicada do que em 2014 por causa das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na Avenida Rio Branco.

A via costumava concentrar desfiles importantes, como o do bloco Cordão do Bola Preta, que arrasta milhares de pessoas no sábado de Carnaval. “O fundamental é que evitem o centro da cidade”, disse.

As alterações no trânsito da região, envolvendo vias importantes como as avenidas Presidente Vargas e 31 de Março e a Via Binário começam na madrugada de quinta para sexta-feira, e conjugam a necessidade de deslocamento de carros alegóricos e foliões e a passagem de blocos.

Para o diretor de operações da CET-Rio, Joaquim Diniz, a situação de tráfego em 2015 é mais complexa. “A gente conseguia concentrar as pessoas na Rio Branco”, afirmou, explicando que, com isso, conseguia-se “impacto zero” sobre o trânsito. Para auxiliar na operação de trânsito, 690 pessoas, entre pessoal da CET-Rio e funcionários de apoio, atuarão durante os dias de Carnaval.

As autoridades presentes na reunião recomendaram aos foliões que utilizem transporte público, especialmente trens e metrô. Esses dois meios de transporte terão um esquema especial de funcionamento da manhã de sexta-feira até a noite de terça-feira de Carnaval, quando circularão 24 horas por dia.

Com foco nas operações do Sambódromo, a Comlurb (empresa municipal de limpeza urbana) contará com ao menos 990 garis, que trabalharão na pista e no entorno antes e depois dos desfiles. Após a passagem das agremiações, a limpeza terá o reforço de um caminhão-pipa abastecido com água de reúso. Além disso, a companhia colocará, na Passarela do Samba, 1.100 contêineres para descarte de resíduos.

Já a Secretaria Municipal de Saúde disponibilizará sete postos de assistência no Sambódromo, totalizando 33 leitos. Ao todo, 200 profissionais de saúde participarão da ação, que englobará 16 ambulâncias UTIs.

O sistema de luzes e sons montado para os desfiles já foi testado e aprovado, de acordo com Figueira de Melo. Segundo ele, 50% da energia utilizada virá de geradores, o que representa uma alternativa em caso de quedas no fornecimento de energia.