Agência Câmara

– As lideranças na Câmara já estão se articulando para a votação das medidas provisórias que ainda estão trancando a pauta do plenário. A primeira matéria a ser analisada pelo plenário na próxima terça-feira deverá ser a Medida Provisória 45/02, conforme determinou o presidente da Câmara, Aécio Neves. A MP trata do plano de carreira dos servidores do Banco Central do Brasil (Bacen).

Os servidores da instituição reivindicam aumento de salários e reestruturação de carreiras, que representam gastos de R$ 100 milhões, mas a MP prevê apenas R$ 21 milhões. A matéria é polêmica e as lideranças partidárias estão tentando um acordo para sua votação. Os funcionários fazem pressão e anunciaram que aceitam até parcelar os reajustes, mas o líder do PT na Câmara, deputado João Paulo (SP), já disse que o Partido está analisando com calma a matéria para depois definir uma posição.

Vencida a etapa de votação desta e das outras 10 medidas provisórias que trancam a pauta, os deputados têm de votar quatro projetos de lei que tramitam com urgência constitucional. Entre eles, está o que mantém a alíquota de 27,5 no IR. Três medidas provisórias já editadas terão seus prazos vencidos até o dia 23 de novembro, entre elas a que dispõe sobre a participação de capital estrangeiro nas empresas jornalísticas e de radiodifusão, e também vão passar a trancar a pauta do plenário.

Por isso, as negociações entre os líderes dos partidos deverá ser intensificada no início da próxima semana para viabilizar as votações das MPS.