Brasília – O Ano do Intercâmbio Brasil-Japão, que marcará um século da chegada dos primeiros imigrantes daquele país às terras brasileiras, será aberto quinta-feira (17), às 10 horas, no Palácio Itamaraty, em cerimônia que terá a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O navio Kasato Maru saiu da cidade de Kobe, no Japão, em 23 de abril de 1908 e 52 dias depois aportou em Santos, no litoral paulista, trazendo a bordo os 781 primeiros imigrantes japoneses.

Durante todo este ano, serão promovidos diversos eventos nos dois países, com o objetivo de comemorar a vinda dos japoneses e de aprimorar o conjunto das relações bilaterais. A programação vai lembrar os setores tradicionais que ligam o Japão ao Brasil, como agricultura, siderurgia e mineração, e destacar os novos campos de interesse comum, como meio ambiente, ciência e tecnologia e energias renováveis, e em particular os biocombustíveis. Também estão previstas missões empresariais, além de simpósios sobre economia e comércio, exposições de artes plásticas, festivais de cinema, apresentações teatrais, concertos e eventos esportivos.

De acordo com o secretário-geral do Comitê Executivo da Comissão Nacional Organizadora das Comemorações do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil, embaixador Roberto Jaguaribe, os governos dos dois países estão empenhados em fazer de 2008 o ano da retomada da intensidade do intercâmbio nipo-brasileiro, que foi mais dinâmico nas décadas de 60 e 70.

?Ele [intercâmbio] está bem aquém de seu potencial. Múltiplas razões, tanto internas quanto externas e o próprio processo de globalização e de abertura de outras regiões nos afastaram um pouco?, justificou Jaguaribe. Segundo ele, as iniciativas para comemorar os 100 anos da imigração japonesa não deverão ser somente comemorativas, mas também colaborar com o fortalecimento crescente da reaproximação entre os dois países em todas as suas dimensões – econômica, comercial e industrial.

Para o embaixador japonês, Ken Shimanouchi, as comemorações dos 100 anos da imigração se farão em um período promissor para ambos países. ?É a terceira onda de colaboração. Depois da primeira fase, marcada pela imigração, e da segunda, caracterizada pelos investimentos nos anos 60 e 70, estamos entrando em uma nova etapa, marcada pela implantação da TV digital no Brasil, com tecnologia japonesa, e os interesses dos dois países nos biocombustíveis?, afirmou.

Shimanouchi disse também que o ano comemorativo é um período ideal para pensar sobre os próximos 100 anos de relacionamento entre o Brasil e o Japão. ?Tenho certeza de que a relação entre as duas grandes nações será ainda mais próspera e florescente.?

O embaixador japonês informou também que, no 18 de junho, dia que marcará os 100 anos do desembarque dos primeiros japoneses no Brasil, Narahito, o príncipe herdeiro do trono de seu país, estará no Brasil presidindo, ao lado de Lula, as festividades do centenário da imigração japonesa.