O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira (22) que o governo federal não vai aumentar impostos depois da pandemia da covid-19.

“Estamos simplificando impostos. O nosso país, Paulo Guedes [ministro da Economia], o governo federal não aumentou impostos durante a pandemia e não aumentará quando ela também nos deixar”, declarou o presidente, durante cerimônia de formatura de novos diplomatas, no Palácio do Itamaraty.

LEIA MAIS – Vagas temporárias de trabalho no Natal vão despencar por causa da pandemia

“Precisamos que os senhores [novos diplomatas] mostrem ao mundo que o Brasil está fazendo o que é certo. Que estamos reformando nossa economia, cortando gastos, fazendo reformas e combatendo a corrupção pelo exemplo”, acrescentou.

O governo Bolsonaro tem discutido internamente como financiar obras e um novo programa social, mas enfrenta dificuldades e meio à crise econômica e limitações impostas pelo teto de gastos.

Guedes tem dito que está em avaliação um sistema de substituição de impostos, pelo qual um novo tributo só seria criado caso outro fosse extinto, mantendo a carga tributária atual.

VEJA MAIS – Oferta de cervejasnos supermercados diminui na pandemia

Bolsonaro fez um apelo em seu discurso para que o corpo diplomático defenda junto a governos estrangeiros ações tomadas pela atual administração, num esforço que o mandatário disse ser contrário à “falsa narrativa”.

Imagem desgastada no exterior

Ele citou ainda o tema ambiental, em que o Brasil enfrenta forte desgaste no exterior em razão do avanço de queimadas e do desmatamento na Amazônia. Os dados negativos referentes ao desmatamento são considerados um fato que pode levar à perda de investimentos estrangeiros no país.

Ele disse que o governo está organizando uma viagem à região amazônica com embaixadores estrangeiros que servem em Brasília. Segundo ele, a comitiva fará um trajeto entre Manaus (AM) e Boa Vista (RR), “para mostrar naquela curta viagem [eles] não verão em nossa floresta nada queimando ou sequer um hectare de selva devastada”.