Uma mensagem que circula no WhatsApp pode estar criando falsas expectativas em pacientes com câncer e familiares. O texto afirma que o Hospital Sírio Libanês, renomada instituição no tratamento ao câncer, teria desenvolvido uma vacina a partir de pedaços de tumor do próprio paciente.

Segundo a mensagem, um setor determinado Grupo Genoma seria responsável pelo experimento com resultados animadores, principalmente em cânceres de rins e pele.

mensagem

Ao tomar conhecimento dos boatos, o Hospital Sírio Libanês veio a público esclarecer que de fato participou de pesquisa de uma vacina contra câncer, “mas que mostram um grau de atividade limitado, beneficiando temporariamente apenas um pequeno número de pacientes”, citou a nota.

O hospital ainda esclarece que “até o presente momento não há qualquer evidência de cura que possa ser atribuída a estas vacinas”. O hospital ressalva que “não há dados suficientes para se prescrever este tratamento de forma geral”.

Veja o que diz o hospital:

Nota de Esclarecimento Sobre Vacina Contra o Câncer

Em razão da notícia que está circulando na Internet, a respeito de uma vacina para tratamento de pacientes com câncer, o Hospital Sírio-Libanês apresenta os seguintes esclarecimentos:

Nunca houve qualquer relacionamento comercial entre o HSL, ou qualquer médico do Centro de Oncologia, e a empresa que está comercializando esta vacina.

O HSL, seguindo sua vocação para o desenvolvimento de novas terapias, participou da pesquisa da vacina, contando inclusive com patrocínio oficial da FAPESP (Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo). Os estudos foram acompanhados pelo Comitê de Ética e conduzidos de acordo com o código de boas práticas médicas. Os resultados da pesquisa mostram um grau de atividade limitado, beneficiando temporariamente apenas um pequeno número de pacientes. Até o presente momento não há qualquer evidência de cura que possa ser atribuída a estas vacinas.

Baseados nos resultados, o grupo de oncologia do HSL considera que estudos adicionais são de interesse, mas que não há, ainda, dados suficientes para se prescrever esta modalidade de tratamento de forma geral. Portanto, ele não está sendo prescrito ou aplicado no Centro de Oncologia do HSL. Para evitar descontinuidade, pacientes em tratamento com a vacina deverão discutir suas opções com seu oncologista.