O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, classificou como “desastrosa” a ação policial que matou o mototaxista Diego Algarve, de 22 anos, na Favela Vila Cruzeiro, zona norte do Rio de Janeiro, na madrugada de ontem.

Moradores disseram que Diego era mototaxista e que voltava de uma festa quando foi abordado por um policial da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). O PM teria atirado no rapaz pelas costas porque ele teria demorado a atender a ordem de parar após passar pelo bloqueio policial. Revoltados, alguns moradores atearam fogo a pneus e jogaram pedras na polícia, que respondeu com bombas de efeito moral para dispersá-los.

Na manhã desta segunda-feira, 9, ao comentar o fato, o secretário disse que “qualquer academia ensina que o policial só pode usar a arma de fogo se a vida dele estiver em risco”. “Foi uma ação desastrosa”, afirmou Beltrame, segundo o qual o caso está sendo investigado e os policiais que estavam no bloqueio já foram interrogados.

A UPP da Vila Cruzeiro foi criada em 2012 e sempre enfrentou resistência de traficantes e a desconfiança da comunidade. Os tiroteios nunca cessaram por completo. Em março do ano passado, o subcomandante da unidade foi morto por bandidos da favela.

O corpo de Diego Algarve será sepultado na tarde de hoje no Rio de Janeiro.