A babá de 33 anos presa no último dia 12 sob suspeita de torturar uma criança de 2 anos em uma casa na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro, será ouvida por um psicólogo na próxima segunda-feira. A medida visa a auxiliar nas investigações sobre o caso.

A Justiça do Rio de Janeiro já negou um pedido de liberdade a favor da babá. Segundo o juiz que decretou a prisão temporária dela, os indícios de autoria e a materialidade estariam demonstrados por meio dos depoimentos prestados pelos pais da criança, em sede policial, bem como pelas fotografias e pelo DVD incluídos no inquérito. Os pais suspeitaram das agressões da babá e instalaram câmeras no apartamento a fim de registrar seu comportamento. Ela foi levada para a Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV) e autuada por tortura.