Belo Horizonte – Movimentos de luta pela terra promoveram ontem, em Jequitinhonha (MG), um ato para lembrar a chacina de cinco integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-terra (MST), em Felisburgo (MG), e cobrar a punição dos acusados. O protesto foi organizado pela Via Campesina e contou com a presença do coordenador nacional do MST, João Pedro Stédile. Segundo a Polícia Militar, cerca de 350 pessoas participaram, no início da tarde, da manifestação em frente ao Fórum de Jequitinhonha. Uma comissão formada pelos líderes dos movimentos foi recebida pelo promotor da cidade, Gabriel Pereira de Mendonça. Integrantes da coordenação estadual do MST denunciaram que três acusados de participação nos assassinatos estão ameaçando as famílias que permanecem no acampamento Terra Prometida, onde ocorreu a chacina, no dia 20 de novembro de 2004.