A luta de mulheres contra o comportamento abusivo de homens na sociedade parece não ter fim (nem deve ter). A atitude inusitada de uma passageira de ônibus no Rio de Janeiro rendeu a gratidão eterna de uma até então desconhecida, com direito a postagem que viralizou no Facebook. Thaiza de Paula seguia com destino à Zona Sul do Rio, quando percebeu os olhares insistentes e insinuantes de um passageiro.

Veja o relato da jovem: “A gente vê muitos casos, mas não imagina que um dia poderá passar pela mesma situação. Hoje no ônibus, á caminho do trabalho um homem sentou ao meu lado, e não parava de me olhar. Ele não tirava os olhos de mim, nem disfarçava. Eu já estava ficando incomodada com aquilo. A vontade de levantar e sair de perto, era grande. Mas o medo do próprio tentar fazer alguma coisa pra impedir, era maior ainda! O homem além de não parar de me olhar, ficava o tempo todo olhando para trás e para os lados do ônibus (inquieto). Foi quando uma passageira, sentada atrás de mim, aparentando ter mais ou menos a minha idade me cutucou e me deu esse bilhete”.

Reprodução

Reprodução / Facebook

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Depois de ler, Thaiza sentou-se ao lado da desconhecida e começaram a conversar trocaram WhatsApp e mudaram o jogo. O homem que estaria importunando Thaiza desceu do coletivo logo em seguida. “Fingimos que nos conhecíamos de algum lugar, e logo em seguida fui para o banco de trás e sentei ao lado dela, começamos a conversar e trocamos Whatsapp! O tal ‘homem’ ficou meio sem entender nada, e logo em seguida desceu do ônibus”, contou.

Em seguida, demonstrou toda sua gratidão. “Camila, muito obrigada pelo seu ato de ajuda. Obrigada mesmo! Serei eternamente grata”. Para Thaiza, Camila disse: “O mundo já está tão ruim, e nós mulheres temos que estar mais unidas”.

 

Uma recente pesquisa do Instituto Patrícia Galvão e Locomotiva, em parceria com a Uber, 97% das mulheres já sofreram algum tipo de assédio, incluindo olhadas insistentes e contato físico indesejado em meios de transporte no geral.

Sozinho e de Fiat 147, curitibano roda 15 mil km em jornada inesquecível na América do Sul