A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou nesta sexta-feira (14) que, para reduzir os atrasos dos vôos, os aviões de passageiros permanecerão mais tempo em solo, a partir de 24 de março. A decisão de ampliar esse tempo consta do planejamento da nova malha aérea que a Anac pretende implantar a partir dessa data, de acordo com a informação divulgada no site da agência.

A decisão foi tomada depois que a Anac constatou que a principal causa dos atrasos registrados no início do ano foi o pouco tempo previsto no planejamento das companhias para a permanência de suas aeronaves em solo, principalmente nos vôos com conexões. A constatação foi feita durante a "Operação Hora Certa", na qual os fiscais da agência fizeram 234 inspeções de rampa, 144 fiscalizações de aeronaves em solo e 46 em vôo, no período de 21 a 29 de janeiro.

Na malha aérea das empresas, os fiscais identificaram vôos em que a programação de permanência no solo era de menos de 30 minutos. Esse tempo, em alguns aeroportos, é insuficiente, segundo a Anac, para a realização das operações de desembarque, novo embarque e decolagem. A fiscalização foi feita em vôos das quatro maiores companhias brasileiras: TAM, Gol, OceanAir e Varig.

Em um dos aeroportos fiscalizados, a Anac constatou uma interferência de rádio pirata nas comunicações entre uma aeronave em vôo e o comando de tráfego aéreo da Aeronáutica. Segundo a agência reguladora, a fiscalização realizada em janeiro resultou numa redução dos atrasos. Em fevereiro, 7,1% dos vôos, em média, atrasaram mais de uma hora, ante uma média 10% verificada em janeiro.