O juiz Mozart Valadares, presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), condenou na sexta-feira (29) “métodos inaceitáveis de pressão” sobre a toga. Para ele, o caso da juíza Marcia Cunha Silva Araújo de Carvalho, do Rio, que relatou à Polícia Federal processo de intimidação que teria sofrido do Grupo Opportunity, “é o retrato de uma violência que o País não pode mais permitir”.

O líder da entidade mais influente dos magistrados, que agrupa 14 mil juízes, alertou para “a ação de pessoas que não têm o menor escrúpulo, porque pensam que através do dinheiro e do poderio podem comprar o caráter de profissionais sérios, incorruptíveis”.

Marcia atuava na 2.ª Vara Empresarial do Rio e tinha sob sua responsabilidade uma ação de interesse do Opportunity. Tomou decisão desfavorável ao grupo do banqueiro Daniel Dantas, passou – segundo ela – a sofrer ameaças e tornou-se alvo de ataques à sua conduta.

“Acompanhei algumas reuniões da AMB em que se discutiu a pressão psicológica que Marcia denunciou ainda quando presidia o feito”, lembra Valadares. “Fui testemunha da angústia da juíza, que enfrentava uma pressão tão poderosa.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.