Foto: Agência Brasil

Alencar: reforço a Lula.

O vice-presidente José Alencar, candidato da coligação A Força do Povo (PT-PRB-PC do B) à reeleição, começou ontem a cumprir a estratégia traçada pela campanha da reeleição: recuperar os votos perdidos das classes média e alta. Ao visitar o comitê do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato da coligação à reeleição, Alencar elogiou-o e pediu a recondução dele ao cargo, com retórica afiada contra a mudança. ?O Brasil não está mais no tempo de fazer aventuras e experiências?, afirmou.

Sobre se a referência era ao candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB), da coligação Por um Brasil Decente (PSDB-PFL), o vice-presidente recorreu à costumeira cautela mineira para argumentar que não queria personalizar a declaração. ?Nunca abri a boca para citar qualquer adversário político?, alegou Alencar. ?Eu os respeito e espero que eles me respeitem.?

Submetido a uma cirurgia no dia 18 para a retirada de um tumor no abdome, ele disse que está ?pronto para outra?. Por ser empresário de sucesso – é dono da Companhia de Tecidos Norte de Minas (Coteminas) – , o papel de Alencar na campanha será, mais uma vez, conversar com as ?classes produtoras?, incluindo na lista representantes da indústria, comércio, bancos e agricultura.

Na campanha municipal de 2004, o PT contraiu uma dívida de, aproximadamente, R$ 12 milhões com a Coteminas, que forneceu 2,75 milhões de camisetas ao partido. Deste total, até hoje, a legenda só pagou R$ 1 milhão.

Depois de visitar a sala no comitê, o vice-presidente foi perguntado se ajudaria na arrecadação de recursos para a campanha da reeleição. Alencar respondeu que não. ?Não é meu estilo?, justificou.